As tramas mais clichê do cinema: O Pai em Busca de Vingança

432

746

Hollywood está em crise. Pouca coisa original é lançada em larga escala. Para encontrar algo que fuja um pouco da enxurrada de adaptações de livros, hqs, remakes, reboots e spin offs, é preciso se embrenhar no obscuro universo do cinema independente, e mesmo assim muita coisa boa acaba ficando esquecida. Enquanto isso, na parte mais endinheirada da indústria, o medo dos executivos impede apostas em coisas diferentes, incertezas, é mais fácil investir em fórmulas que sabidamente darão lucro. Por isso, mesmo quando o filme não se enquadra em um dos exemplos citados acima, e ele vem embalado como algo original, percebemos a apropriação de ideias já testadas e aprovadas, pelo menos em termos comerciais.

 

Nesse novo quadro do site, vamos listar algumas das tramas mais utilizadas no cinema, citando sempre 5 filmes, que partem do mesmo principio, e por mais que usem de linguagens diferentes, e tenham um desenrolar diferente, são “essencialmente semelhantes”. Pra começar, um mote que vez ou outra é repetido, principalmente no cinema de ação: O pai que teve seu filho assassinado/sequestrado/violentado, e agora parte para fazer justiça com as próprias mãos.

 

 

O Fim da Escuridão (2010)

De: Martin Campbell

ksxr95M6fh2f2zgIlgGDDyfgOhC

O Fim da Escuridão marcou o retorno de Gibson a atuação, após 8 anos afastado para se dedicar a direção e produção. Aqui ele é Thomas Craven, um detetive da divisão de homicídios de Boston, que recebe a visita de sua filha, Emma, que está de folga em seu estágio. Era uma visita normal, até um furgão parar em frente a casa de Craven, e de dentro dele ser disparado um único e letal tiro. Ele então parte em uma investigação por conta própria, para descobrir quem, ao tentar matá-lo, acabou assassinando sua jovem filha.

 

O longa é baseado em uma minissérie britânica de mesmo nome, que foi produzida pela BBC em 1985. Com isso o fornecimento de pistas que, na série, é bem distribuído, no filme fica apressado demais, e você acaba sacando toda a conspiração politica logo de cara. Mas se o filme não funciona como suspense conspiracionista, como filme de vingança ele é um prato cheio, graças ao competente diretor, Martin Campbell, e as atuações seguras e ótimas presenças de tela de Mel Gibson e Ray Winstone.

 

 

Efeito Colateral (2002)

De: Andrew Davis

49129_Papel-de-Parede-Efeito-Colateral-Collateral-Damage--49129_1024x768

Arnold Schwarzenegger é Gordon Brewer, um pacato bombeiro da cidade de Los Angeles que tem sua vida virada de cabeça para baixo ao presenciar, em frente a embaixada Colombiana na cidade, sua esposa e filho serem uma das vitimas de um atentado terrorista a bomba. Não confiando nos modos diplomáticos do governo, ele mesmo resolve fazer justiça.

 

Um típico filme de brucutu anos 80, feito em plenos anos 2000. O longa demorou um pouco pra ser lançado, já que o tema terrorismo se tornou assunto sensível após os atentados de 11 de setembro, época em que ele estrearia. Schwarza encarna mais uma vez um exército de um homem só, que distribui pancadas e tiros em meio as selvas sulamericanas. Como era de se esperar, é um filme de ação que diverte, sem maiores compromissos.

 

 

Busca Implacável (2008)

De: Pierre Morel

liam-neeson-TAKEN22

Por falar em brucutu anos 80… Aqui Liam Neeson é um ex-agente especial do serviço secreto, que ouve pelo celular, o momento em que sua jovem filha é sequestrada por uma quadrilha especializada em tráfico de pessoas. A partir daí ele parte em busca de pistas que possam mostra o paradeiro da garota.

 

Neeson dando mais uma passo em sua carreira de action hero, que ele assumiu depois de já ser um ator bem experiente, nos proporciona um dos melhores filmes de ação dos últimos tempos. Além da trama ser muito bem amarrada, as cenas de ação á lá Jason Bourne, conduzidas por Pierre são excepcionais. Sem falar nos métodos de investigação do protagonista, que não usa muitos gadgets tecnológicos, mostrando que é um porradeiro da velha guarda. A única parte ruim de Busca Implacável é o seu legado na carreira de Neeson, que agora repete esse papel em dois de cada três filmes novos.

 

 

O Justiceiro (2004)

De: Jonathan Heinsleig

ComicPunsiher2

Frank Castle é um agente do FBI que está investigando um cartel de traficantes, no meio dessa investigação a policia acaba por matar o filho de Howard Saint, um chefão do crime organizado. Ele então, aponta para Castle como assassino e decide exterminar não só o filho, mas a esposa, familiares e mais todo mundo que ele conhece. Frank, porém, sobrevive e resolve buscar vingança contra Saint e todos os criminosos que ele encontrar.

 

Apesar de ter uma qualidade realmente discutível, e de ser considerado uma das piores adaptações da Marvel, tenho que confessar que gosto muito desse filme. Thomas Jane é o melhor Justiceiro do cinema, e as cenas de ação, principalmente a luta com o Russo ao som de La donna é móbile, são muito legais. Mas faltou muito para se aproximar do Justiceiro das hqs.

 

 

Tempo de Matar (1996)

De: Joel Schumacher

7yFXEn9Q6tzwzc8gdOhUAmegS2Y

Diferente dos outros filmes citados, Tempo de Matar não foca exatamente na vingança do pai, mas no que acontece a seguir. Uma menina negra é atacada por dois homens brancos e bêbados, eles a espancam e a estupram. A menina é filha de Carl Lee Hailey, um operário humilde, que conhecendo o modo como as coisas funcionam, decide fazer justiça com as próprias mãos, matando os dois, e ferindo acidentalmente um policial, também branco. Ele vai a julgamento pelo crime, onde é defendido pelo jovem advogado Jake Brigance, que luta contra as ameças de grupos racistas para revelar o verdadeiro motivo do crime cometido pelo operário.

 

Tempo de Matar é um dos grandes filmes de tribunal dos anos 90, e talvez a melhor adaptação de um livro de John Grisham. Contando com um elenco competente formado por Samuel L. Jackson, Kevin Spacey, Matthew McConaughey e Sandra Bullock, o longa consegue passar uma forte mensagem e ao mesmo tempo mostrar os absurdos que o preconceito pode trazer. E pensar que é do mesmo cara que fez Batman Eternamente e Batman & Robin.

 

Acho que deu pra perceber, mas vale ressaltar que utilizar-se de uma ideia batida, não torna o filme ruim. E você, o que acha? Deixe sua opinião aí nos comentários, além de dicas de filmes que se enquadram nesse clichê, e outros clichês para serem abordados nos próximos artigos.

0 Total Views 0 Views Today
  • PAULO CAMPINAS

    quero muito achar um filme que assisti a muitos anos atras mas não lembro o nome, mas é a história de um pai policial que no começo do filme iria passear com sua filha ao redor da casa ela de bicicleta e ele também, ai um chamado da policia faz com que ele não leve a filha ao passeio e sua mulher tem que sair para trabalhar algo assim, então ele vai e deixa a garotinha sozinha em casa, ela vai para dentro de casa chateada e vai direto para o computador la ela começa uma conversa com uma pessoa, quando o pai policial volta não acha a filha em casa ai outro chamado da policia mas os policiais não querem que ele vá até o local mas ele vai e encontra a filha morta, tem suspeitos e a policia incrimina um cara e o prende ele é julgado e condenado, o cara durante o tempo preso vive a mandar cartas ao pai dizendo ser inocente, até que parece o pai começa a acreditar o cara e pede para que o juiz o solte e ai é solto e o pai policial faz sua vingança…alguem lembra de um filme assim me diga.