Por que Cocoricó é melhor que a Galinha Pintadinha?

cocorico

Personagens_Juntos_2012_026

Se você é mãe, assim como eu, sabe que um post com esse assunto pode ser útil.
E se você, assim como eu, aprecia música de qualidade, vai me entender.
Fala-se até que ouvir música clássica desde a barriga da mãe faz maravilhas pelo QI de uma criança. Logo, é inegável a influência positiva que uma boa música pode exercer na formação de uma nova pessoinha.
E qualidade musical não está apenas nas letras para adultos, vide A Arca de Noé, de Vinicius de Moraes, Rondó do Capitão (Bambalalão) de Manuel Bandeira, musicado lindamente por Secos & Molhados.
E veja também – ouça – Cocoricó! Uma fofura de programa! Produzido pela TV Cultura, a mesma responsável pelo inesquecível Castelo Rá-tim-bum, que aposto que você ama, e considerada a 2ª melhor TV aberta em relação à qualidade de sua programação. Que moral, não?
Os bichinhos do paiol são coloridos e graciosos, deixando qualquer bebê fascinado.
A própria mensagem do programa como um todo já é razão suficiente para que você queira seu pimpolho curtindo-o. O convívio com os animais, carinho com a família – já que Júlio vive num sítio com seus avós – a felicidade com coisas simples, como comer um bolo de cenoura nos dias chuvosos.
E, enfim, as músicas! Musiquinhas tradicionais adaptadas de maneira criativa e graciosa e composições originais belíssimas, às vezes até em tom de poesia.
De semente de morango até a utilidade do cocô, passando pela origem das palavras, das 1001 noites – e até um bocadinho de inglês! – , as letras são elaboradas, têm conteúdo, cuidado com a forma e os sons sem deixarem de ser infantis.
Afinal, o entretenimento dos pequenos é o foco.
O que quero dizer é que uma coisa não anula a outra. É possível ser atrativo para as crianças sem ser uma animação tosca, tagarelando – ou cacarejando – sempre no mesmo tom e mesma voz as mesmas músicas de sempre!

E antes que já venham com mimimis de “Ah, mas se sua filha gostar, você irá deixá-la ouvir…”, já adianto: não sou hipócrita. Se é a bendita galinha que vai deixar minha filha quieta e feliz enquanto lavo louça, corrijo provas ou escrevo este post, então que seja! Mas enquanto eu posso, vou incentivá-la a fazer a melhor escolha. Aliás, esta será minha função para a toda vida. 😉

0 Total Views 0 Views Today