Westworld e o caminho até a árvore do conhecimento

untitled-1

Havia no paraíso inúmeras árvores com inúmeros frutos, mas duas delas tinham um valor maior do que as demais: a Árvore da Vida e a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal.

“E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” Diz o livro do Gênesis, em seu segundo capítulo, nos versículos dezesseis e dezessete.

Havia também no paraíso o mais astuto dos animais, que tentou e convenceu Eva a comer do fruto da árvore proibida. Estava cometido o pecado original. O crime que resultou na expulsão de Adão e Eva do Paraíso. O crime da consciência.

episode-03-1920

Escolha o viés metafórico que você quiser, o gênesis judaico-cristão, o mito da caverna de Platão, as pílulas azuis ou vermelhas de Matrix ou a teoria da mente bicameral de Julian Jaynes. Em suas visões e teorizações distintas essas fórmulas visam explicar o mesmo fenômeno, a ignição da auto-consciência humana. Bem como a trama criada por Jonathan Nolan e Lisa Joy em Westworld, que o faz numa embalagem de ficção cientifica pautada por mistérios e quebra-cabeças. O que se prova cada vez mais o grande talento dos irmãos Nolan, trabalhar temas complexos e relevantes em embalagens acessíveis e por que não dizer, comerciais.

A ficção cientifica desde sempre se disfarçou de previsão do futuro para escancarar de forma mais palatável e lúdica nosso presente e passado. E em Westworld isso está mais presente do que nunca. A série explora as filosofias por trás do que é ser humano de forma pessimista, inclinando-se a afirmar que a origem da consciência é o inicio de nossos problemas e de nossa ruína como espécie, especulando as maneiras que encontramos diariamente para fugirmos dessa descoberta, analisando os caminhos que buscamos para voltar para nossa caverna. É o que fazemos ao mecanizar nossas vidas. “A autoconsciência não é uma jornada para o alto, mas uma jornada para dentro.” E por isso nos apegamos as coisas externas, por mais banais e efêmeras que sejam.

Estamos totalmente na contramão dos anfitriões. A existência do parque é a prova disso. Enquanto eles dão passos em direção a humanidade, os humanos dão passos em direção á barbárie. Westworld é o lugar para roubar, matar e estuprar sem remorsos. O lugar para abandonar qualquer senso de civilidade e moral. O que pode ser menos humano do que isso? Westworld também desafia as noções de liberdade individual, de poder de escolha, de destino ou da aleatoriedade dos fatos, ao fazer um personagem que representava bem o livre-arbítrio, se tornar apenas mais uma marionete de uma história que já está escrita.

westworldmaevehector

Mas nem só de divagações filosóficas vive essa primeira temporada. Westworld funciona perfeitamente como um “simples” mistério a ser resolvido. Com uma narrativa inteligente que abusa da não linearidade, usando diversos artifícios como rimas visuais, linhas de diálogo soltas e coincidências para deixar pistas àqueles fãs ávidos por teorias e especulações. E satisfaz ao oferecer repostas coerentes para as perguntas levantadas, fazendo desses dez primeiros episódios uma obra coesa que se encerra em si mesma, se necessário.

Tem uma produção impecável, uma trilha sonora sensacional e ainda um show de atuação por parte de Evan Rachel-Wood, Thandie Newton, Ed Harris e Jeffrey Wright, além de uma verdadeira aula de Anthony Hopkins, que coloca o Dr. Ford no seu rol de grandes criações.

Westworld é uma obra importantíssima, pois vai muito além de entreter, ela questiona e leva o espectador a também fazê-lo. Uma ficção cientifica muito bem pensada e conduzida, que sem a menor sombra de dúvida, é a grande série de 2016.

0 Total Views 0 Views Today