Crítica: Enquanto somos jovens (While we’re young – 2014)

970

Conflito entre gerações é um tema bastante abordado no cinema, mas é raro ver um filme que o faça sem cair na armadilha de criar um juízo de valor sobre alguma das gerações abordadas. E esse é só um dos vários méritos de ‘Enquanto Somos Jovens’.

A trama acompanha Josh (Ben Stiller) e Cornelia (Naomi Watts), um casal na casa dos quarenta anos que se vê em um improvável dilema. Seus melhores amigos acabam entrar para o time de papais e toda sua rotina está voltada para isso, coisa que nem passa pela cabeça do casal. Então entra em cena um novo casal, Jamie (Adam Driver) e Darby (Amanda Seyfried), que na casa de seus vinte e poucos anos tem toda a energia e jovialidade que parecia ter morrido em Josh e Cornelia. A dupla se encanta com os novos amigos, mas logo vai perceber que apesar de ainda se verem como jovens, seus corpos, mentes e costumes gritam o contrário.

O roteiro escrito pelo talentoso Noah Baumbach, responsável pelo aclamado ‘Frances Ha’ é repleto de momentos cômicos que trabalham em função da gama de temas que o cineasta pretende abordar. O jovem casal é uma sátira muito conveniente a cultura hipster, com seus VHS, discos de vinil e máquinas de escrever. Enquanto o outro é um retrato da meia idade moderna, com uma liberdade fantasiosa e uma assustadora dependência tecnológica. O contraste entre esses dois mundos é um dos melhores aspectos do filme.

Brody-While-Were-Young-1200

O fato dos dois personagens masculinos serem documentaristas abre outro leque de abordagens para o roteiro. Existe uma dinâmica boa que brinca com aquela aura de mestre-pupilo, além da trama se direcionar para uma discussão bem forte sobre ética profissional e “criação” da verdade. Por falar em personagens, é válido dizer que todos os personagens do longa são relevantes, desde os quatro protagonistas até o mais discreto dos coadjuvantes. E todos contam com interpretes muito bem escolhidos e com um entrosamento considerável. Ben Stiller aparentemente vai transformando seu estilo de humor em algo mais contido, e que vem funcionando muito bem.

Infelizmente a vontade de abraçar o mundo acaba sendo o pecado do filme, que no terceiro ato exagera nas pretensões e perde um pouco a mão. As discussões sobre envelhecimento, criatividade e parentalidade acabam estufando o roteiro e o deixando expositivo demais.

Enfim, ‘Enquanto Somos Jovens’ é uma comédia dramática relevante, bem dirigida, com elenco inspirado, mas que dá uma derrapada em seu desfecho. Nada que invalide o produto final. Vale muito a pena.

Nota: 8,0

0 Total Views 0 Views Today