719

Um dos métodos mais eficientes para adicionar urgência em uma narrativa de filme é o uso do roteiro em tempo real. O roteiro em tempo real, para quem não sabe, acontece quando o tempo diegético equivale exatamente ao “nosso tempo”, ou seja, não há elipses/cortes no tempo, cada minuto de ação corresponde a um minuto exato na vida real. Infelizmente poucos filmes são feitos usando essa técnica, mas mesmo com os poucos exemplares, consegui fazer uma listinha com seis boas dicas de filmes em tempo real.

 

Tempo Esgotado (Nick of Time – 1995)

g26xeppvkrvix2xswdjii7xpyb

Antes de se tornar uma super estrela (e muito antes de deixar de ser uma) Johnny Depp estrelou ao lado de Christopher Walken o longa Tempo Esgotado, onde ele interpreta Gene Watson, um homem que tem sua filha sequestrada na cidade de Los Angeles. O relógio marca 12:07 quando isso acontece e ele recebe uma arma e uma fotografia. Se a pessoa da fotografia, a governadora da Califórnia, não estiver morta às 13.30 quem morrerá será sua filha. Confesso que fiquei com um pé atrás em adicionar este filme na lista, isso porque eu me lembro de ter gostado quando vi, só que eu vi há muitos anos. Sei que muita coisa acontece nos 89 minutos de duração, uma grande conspiração se desenrola enquanto Depp tenta salvar a criança (ah se fosse o Liam Neeson). Sei também que a série 24 Horas “inspirou-se” nesse roteiro durante sua primeira temporada. Pra quem quer se lembrar de como eram as atuações do Sr. Depp antes dele se tornar uma caricatura de Jack Sparrow, vale arriscar.

 

 Por um Fio (Phone Booth – 2002)

phone_booth_ver2_xlg

Eu nuca vou compreender a carreira do Joel Schumacher, não consigo conceber a ideia de que a mesma pessoa que dirigiu ‘Por um Fio‘, ‘Tigerlands‘ e ‘Um dia de Fúria‘, também fez ‘Batman Eternamente‘, ‘Batman & Robin‘, ‘Renascido das Trevas’ e ‘Reféns‘. Mas vamos nos ater ás coisas boas. Colin Farrell é Stu Shepard, um publicitário extremamente arrogante e infiel que se vê preso em uma cabine telefônica, ele está sob a mira de um psicopata escondido em uma das centenas de apartamentos que existem ao redor. Toda a ação do filme se desenrola em 81 minutos dentro e nos arredores dessa cabine, e conseguir criar uma tensão usando essa premissa foi um dos maiores méritos do diretor. Apesar de contar comum final um tanto quanto questionável, ‘Por um Fio’ funciona em vários níveis, até mesmo na adaptação de seu título em português que entraria fácil na minha lista de melhores.

 

Enterrado Vivo (Buried – 2010)

Enterrado Vivo

Já falei outras vezes de ‘Enterrado Vivo‘, uma delas no post sobre grandes filmes de um homem só, portanto serei breve. Ryan Reynolds vive Paul Conroy, ele está trabalhando no Iraque nos esforços de reconstrução quando, sem saber como, acorda em um caixão com uma lanterna, um isqueiro e um celular com metade da bateria. Durante os 90 minutos da projeção acompanhamos os esforços de Paul para escapar dessa desesperadora situação. Além de ser uma das melhores, senão a melhor atuação de Ryan Reynolds, ‘Enterrado Vivo‘ é um filme muito bem realizado e extremamente claustrofóbico, além e ter um final impressionante e corajoso. Quem não viu, veja.

 

Antes do Pôr do Sol (Before Sunset – 2004)

surpresas_julie_delpy_in_before_sunset_wallpaper_6_1280

Não importa quanto tempo Richard Linklater demore para filmar suas obras, seja 12 anos como em ‘Boyhood’, ou pouco mais de 12 dias, como em ‘Antes do Pôr do Sol’, a tendência é que o resultado seja espetacular. Na continuação de ‘Antes do Amanhecer‘, lançado nove anos antes, vemos o reencontro entre Celine (Julie Delpy) e Jesse (Ethan Hawke), que tem pouco mais de 80 minutos para botar toda a conversa em dia antes que o avião de um deles parta. E o filme é isso, uma conversa, muito bem escrita e dirigida é verdade. E esse é mais um dos méritos que o diretor tem, por que se nos outros filmes da lista existia uma ação/tensão se desenrolando para manter o espectador interessado, aqui não, o filme é sustentado pela precisão de seus diálogos. Outra pequena obra prima do diretor.

 

Locke (2013)

20140217-locke-poster

Outro exemplo de filme em tempo real que se sustenta sem o auxilio de grandes acontecimentos ou sequências de ação. Durante pouco mais que 80 minutos vemos a vida tranquila de Ivan Locke (Tom Hardy) desmoronar graças a uma difícil decisão que ele toma. Tomamos conhecimento de sua situação, da sua decisão e das implicações de suas atitudes por meio dos telefonemas que ele recebe enquanto dirige na saída do trabalho. O contato telefônico com seu chefe, com um subordinado, com sua esposa e com uma quarta pessoa constroem o roteiro muito bem escrito, que se junta a atuação impecável do protagonista e resulta em um filme excepcional. Leia a crítica completa.

 

Festim Diabólico (Rope – 1948)

Festim Diabólico DVD Capa

Para fechar a lista nada melhor do que um clássico incontestável, ‘Festim Diabólico‘, do mestre Alfred Hitchcock. A trama é extremamente simples, três jovens arrogantes servem um jantar para convidados, usando como “peça de decoração” um baú onde está escondido o corpo de um colega que eles mataram pouco tempo antes. Além da trama acontecer em tempo real, Hitchcok também fez uso da técnica de plano sequência infinito, maquiando os poucos cortes na hora da montagem e deixando aquela impressão de que o filme possui um único take, mesma técnica e efeito utilizado por Alejandro G. Iñarritu em ‘Birdman‘. ‘Festim Diabólico‘ é uma aula de cinema em todos os aspectos, impecavelmente realizado, com atuações excepcionais e um suspense inacreditavelmente bem feito. Um filme obrigatório para todo fã do bom cinema.


 

Se você lembra de outro filme em tempo real que mereça ser visto, deixe aí nos comentários.

0 Total Views 0 Views Today
  • Bruno do Carmo Barbaresco

    “Cloverfield, O Monstro” que é feito de acordo com o gênero de filme Freecording (a câmera sem interrupções), a exemplo também de Jamming, algo a ver com música. Se eu estiver certo, é isso que eu sei.